2006-09-22

Orfeu , o principe dos heróis

Orfeu , contrariamente aos restantes herois gregos , não conquistara o titulo de heroi pela força da espada ou pelo vigor fisico , mas sim pelos seus dons de poeta e músico. Os encantamentos da sua voz ou da sua lira (ele passa por ter sido o inventor da lira com nove cordas cujo número nove é alusivo ao número das Musas) seduziam as plantas, amansavam as feras e acalmavam os ânimos dos mortais mais perigosos . Os Argonautas serviram-se dos seus dons para marcar a cadência dos remadores , para apaziguar as emoções , mas também para acalmar as ondas impetuosas e mesmo para afrontar , vitoriosamente, as Sirenes, cujos sortilégios foram vencidos pela força dos seus cantos . Era casado com Euridice , uma ninfa extremamente bela que Orfeu amava profundamente .
Um dia , Aristeu , filho de Apolo e seu amigo foi vistá-lo . Durante esse periodo Aristeu e Euridice deram um passeio pelo bosque enquanto Orfeu compunha uma musica . Aristeu confessou então á ninfa quanto a amava , ela saiu correndo desesperada enquanto Aristeu arrependido a perdia de vista . Na sua correria desenfreada calcou um vibora que de imediato a picou provocando-lhe a morte .
Orfeu ficou inconsolavél , tão inconsolavel que se decidiu descer aos infernos para procuarar a sua esposa . A sua procura demorou anos , até que um dia chegou ao rio que separava a terra do inferno . Era um local desolador e o unico habitante era o barqueiro que levava os mortos para o outro lado . Quando tentou embarcar foi impedido , o carrancudo barqueiro informou-me que so estava autorizado a transportar os mortos . Brincais ? perguntou Orfeu . Nunca na minha vida brinquei , nem sequer sorri . Se vos fizer sorrir levais-me ao outro lado ? Nunca me fareis sorrir ... Orfeu pegou na lira e começou a entoar algumas cancões cómicas . Alguns minutos depois estava no outro lado do rio .
Mas as dificuldades nao tinham acabado , o portão de entrada pros infernos era guardado por um monstro de 1000 olhos , pelo que o monstro nunca dormia , algines fa-lo-iam mas os restantes estavam vigilantes , e foi claro para Orfeu que por ele nunca passaria . Este pegou na lira e perguntou , sabeis o que é isto ? Não , que coisa é essa e para que serve ? Vou mostrar-vos ... Começou a entoar cançoes de embalar e pacientemente continuou até que cada um dos 1000 olhos se fossem fechando , vencidos pelo sono .
Uma vez entrado procurou Hades e Perséfone , o senhor dos infernos e a sua esposa que ficaram deveras admirados com a sua aparencia , pois nunca antes um ser vivo tinha estado ali . Orfeu dirigiu-se-lhes dizendo , venho pedir-me que me devolveis a minha querida esposa Euridice a quem amo muito . Hades perguntou-lhe o que era o amor , pois nos infernos nunca ouvira falr de tal coisa . O nosso poeta empunhou de novo a lira e cantou-lhe as mais belas historias de amor , de tal forma que tocou o coração gelido de Hades . Este disse , continua a tocar a tua arpa e a tua esposa seguir-te-á , podes levá-la , mas nao deves olhar para trás ate estares fora dos portoes do inferno , e nao voltes ou sentirás o peso da minha ira .
Este assim fez e passado um tempo pode sentir uma presença nas suas costas , seria Euridice ? Controlou-se e nao olhou , continuou tocando ... Seria mesmo a sua esposa ou Hades estaria simplesmente a pregar-lhe uma partida ? E tinha tantas saudades do seu terno olhar ... Mas dominou o impeto e continuou tocando . Estava alguns metros do portao quando foi dominado por um pensamento , e se nao for ela ? Se sair daqui sem ela tudo estará perdido ... Num gesto mais deseperado que consciente torceu o pescoço e olhou . Ali estava a sua querida esposa olhando-o ternamente . mas logo depois começou a afastar-se flutuando , cada vez mais rápido e num apice desapareceu .
Orfeu ficou inconsolável. A tal ponto que as mulheres da Trácia não puderam suportar a sua indiferença e resolveram matá-lo, despedaçando o seu corpo em bocados que atiraram ao rio Hebro.
A alma de Orfeu foi acolhida na ilha dos Bem-aventurados, reservada aos heróis. Quanto à sua lira, foi transformada numa constelação.

Os artistas foram largamente inspirados pela lenda do genial e divino poeta, desde o escultor do séc. v, autor do célebre baixo-relevo (Nápoles, Louvre, Roma: Vila Albani) representando Orfeu em companhia de Hermes e de Eurídice, até Zadkine, passando por Bellini (Washington), Bruegel de Velours (Madrid), L. Carrache (Bolonha), Tintoreto (Modena), Rubens (Madrid), Poussin (Louvre), Delacroix (Montpellier; Paris: Assembleia Nacional), G. Moreau (Louvre), Cocteau (filmes, peças, desenhos), etc. A tragédia que este casal ideal viveu inspirou numerosos homens do teatro: Monteverdi no séc. xvii (1607) e Gluck no séc. xviii (1764) compuseram duas óperas sobre este tema. Cf. igualmente a cantata de Berlioz A morte de Orfeu (1827), a trilogia da Orfeida (1918-1921) de Malipiero e Os Infortúnios de Orfeu (1927) de O. Milhaud. Cf. também o Orfeu nos Infernos (1858) de Menhach e o Orfeu (1926) de Cocteau.

2 Comentários:

Às 20:31 , Blogger Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

Andas mesmo virado para a mitologia.
Muito curioso, pois alguns factos desconhecia.
Bjs

 
Às 22:50 , Blogger P. Guerreiro disse...

Decididamente andas a ler umas coisas. Desta trilogia grega só a vida de Diógenes era minha conhecida. Fizeste-me ler…E procurar…
Um grande abraço e bom fim de semana!

P.S. Prometo arranjar temas mais agradáveis…Pelo menos vou tentar…

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial