2006-09-21

Dialogos gregos

Antístenes, discípulo de Sócrates, pregava a superioridade da virtude e a inutilidade das coisa materiais. Felicidade, em seu ponto de vista, não tem nada a ver com prazer ou riqueza, mas sim com a pureza da alma e a liberdade de não se sujeitar à tirania dos desejos. Dioneges , o cinico , foi seu discipulo .

Estava Diógenes jantando seu costumeiro prato de lentilhas, quando Arístipos se aproximou. Arístipos, de Cirene, filósofo, adepto do prazer como único bem absoluto na vida. Para poder levar uma vida confortável, vivia bajulando o Rei.

Disse, então, Arístipos a Diógenes:
— Se aprendesses a bajular o Rei, não precisarias reduzir tua alimentação a um
prato de lentilhas.
Por sua vez, Diógenes returquiu :
— E tu, se tivesses aprendido a te satisfazeres sempre com um prato de
lentilhas, não precisarias passar tua vida bajulando o Rei.

NOTA
Se se estao perguntando porque razão o chamavam Diogenes , o cinico ,
dificilmente encontrarão a resposta . Cinico no grego classico significava
parecido com um cachorro , e o nome vem do ginásio onde Antistenes ensinava
, o Cinosarges, palavra que tem a ver com o termo grego kynikós, que
significa "semelhante a cachorro"(kýon,kynos=cão).

1 Comentários:

Às 22:45 , Blogger P. Guerreiro disse...

Decidiu viver como um cão, por isso se chamou de “cínico”. Repeliu todas as convenções, religião, maneiras, vestuário, habitação, alimento e decência. Proclamou a sua fraternidade, não só com a raça humana mas com todos os animais.
O ensino de Diógenes não era “cínico no sentido actual.
Procurou a virtude e a liberdade moral na libertação do desejo e na emancipação do medo.
Em termos filosóficos é quase perfeito, mas não deixa de ser uma abstracção ao alcance de poucos. Quanta disciplina seria necessária, quanta concentração neste mundo de ofertas.
Magnifico o tema…És um gajo do carago!
Outro abraço!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial